Skip to content

O que é Design Thinking?

Era setembro de 2013 quando, em uma aula da minha turma de Mestrado, ouvi o termo e o significava Design Thinking. Na hora eu pensei: Uau! Como as empresas no Brasil ainda não estão devorando este conceito e transformando em estratégia?

Para a minha felicidade, a cada ano este conceito se dissemina ainda mais e virou a grande tendência para acompanhar o mundo VUCA que estamos vivendo. Recentemente estive no maior Congresso de Recursos Humanos no Rio de Janeiro e todas as empresas e palestras citaram Design Thinking ou a sua forma de pensar como fundamentais para garantir a competitividade.

 

O que é Design Thinking?

 

O termo Design Thinking foi visto pela primeira vez em 1992 no artigo de Richard Buchanan, chamado “problemas complexos em Design Thinking”. O termo começou a ser difundido, em 1999, por Tim Brown, CEO da consultoria IDEO, uma das maiores consultorias em Design Thinking no mundo.

O Design Thinking é muito mais que uma metodologia, ele é uma forma de pensar Design que tem a capacidade de entender profundamente a necessidade do cliente e, a partir deste processo, identificar como solucionar problemas complexos e inovar a partir destas necessidades.

“Precisamos de novas escolhas – novos produtos que equilibrem as necessidades de indivíduos e da sociedade como um todo; novas ideias que lidem com os desafios globais de saúde, pobreza e educação; novas estratégias que resultem em diferenças que importam e, um senso de propósito que inclua todas as pessoas envolvidas.” (Brown, 2010)

 

Design Thinking: Pensar como o Designer

 

Design Thinking é a forma de pensar do Designer aplicado a organização como um todo. Mas o que seria pensar como um designer?

Primeiro ponto é que o designer pensa na necessidade do cliente e como atendê-la de forma surpreendente. Até mesmo quando o cliente não sabe falar qual é a necessidade, o designer tem a capacidade de se colocar no lugar dele e entender.

O Designer também tem a capacidade de avaliar se as suas ideias são viáveis do ponto de vista técnico. Ou seja, não adianta pensar em uma ideia ótima mas inviável para implantação. Design Thinking se propõe a pensar nas ideias de forma criativa e analítica, para que somente as viáveis sejam levadas ao próximo patamar.

Por último, uma ideia só é levada a implementação se há alguma possibilidade de retorno financeiro ou economia para a organização. No Design Thinking as ideias precisam ter algum retorno financeiro para a organização e, por isso, esta análise é fundamental.

 

 

As etapas do Design Thinking

 

A aplicação do Design Thinking na prática é feito a partir de três pilares: imersão, cocriação ou ideação e prototipação. Confira abaixo como elas são organizadas.

 

Imersão

 

Esta é a primeira etapa do processo, no qual as empresas se dedicam para entender  profundamente o que o cliente necessita. Nesta etapa o principal é entender a necessidade real do cliente e suas emoções ao entrar em contato com o produto ou serviço.

Assim, fica fácil entender suas expectativas e como gerar mais valor e conexão com a marca.

Cocriação

 

Após o entendimento profundo do cliente, na etapa de cocriação buscamos alternativas para atender a necessidade e surpreender o cliente. Esta é uma etapa de divergência de ideias e para ela ter mais sucesso, são reunidas pessoas de diferentes especialidades, garantindo a pluralidade de ideias.

Nesta fase do projeto também refletimos sobre as ideias geradas e é iniciado o processo de convergência de ideias, ou afunilamento, para que somente as melhores ideias sejam levadas adiante.

 

Prototipação

 

Uma vez que já entende-se profundamente a necessidade do cliente e as melhores alternativas já foram apontadas, é iniciada a etapa de prototipação, que nada mais é do que criar protótipos das ideias levantas.

O princípio desta etapa é as ideias sejam retiradas da cabeça para avaliar sua viabilidade. O lado positivo é que o investimento no protótipo é baixo e ajuda a empresa a só investir nas ideias que de fato fazem sentido para o cliente e para ela.

Os custos baixos nesta etapa e a criação de protótipos agiliza a análise, bem como proporciona apresentar aos clientes a nova solução e colher novos feedbacks até que a ideia esteja completamente adequada.

 

O ganho de agilidade com Design Thinking

 

Utilizando os pilares do Design Thinking a empresa torna-se capaz de perceber com mais facilidade as necessidades de seus clientes. Além disso, se torna mais capaz de adequar ou criar soluções alinhadas às expectativas e realidades do seu público.

O mundo atual está cada vez mais dinâmico, a competitividade entre as empresas aumenta e a tendência é ser ainda mais complexo com os avanços tecnológicos. Se posicionar no mercado de forma assertiva, entregando valor real para o cliente, é a diferença das empresas que se destacarão.

Com o Design Thinking empresas de todos os portes estão tendo mais sucesso nas suas análises e entrega de valor. Estas empresas estão mais preparadas para este futuro próximo e conhecer mais sobre Design Thinking fará você ser capaz de apoiar estas transformações.

Click no link e participe do próximo curso aberto Inove com Design Thinking. Inscreva-se já!

Clique aqui: https://lnkd.in/eQBDZDj

Deixe um Comentário





Scroll To Top